Inscrições abertas para 12 mil vagas gratuitas no Universidade para Todos
Economia Educação

Inscrições abertas para 12 mil vagas gratuitas no Universidade para Todos

Alunos que estão terminando ensino médio ou profissionalizante na rede pública podem se inscrever

Autor: Correio | Foto: Camila Souza/GOVBA

As inscrições para 12 mil vagas gratuitas no Universidade para Todos (UPT), programa de preparação para ingresso no esntino superior, estão abertas a partir desta terça-feira (17). Podem se inscrever alunos que estão terminando o ensino médio ou profissionalizante na rede pública. A preparação é desenvolvida em parceria com as universidades públicas Uneb, Uefs, Uesb, Uesc e Ufrb, com o objetivo de contribuir para o acesso de estudantes ao Ensino Superior.

O edital com detalhes de como se inscrever está disponível no site da Secretaria da Educação (SEC) – clique aqui. Dúvidas podem ser tiradas pelo e-mail [email protected]ção.ba.gov.br ou por telefone, pelo 0800-2858000.

O superintendente de Programas e Projetos da SEC, Március Gomes, destaca que além do Enem, Uesb e a Uneb oferecem também o vestibular, no mês de abril. “O foco intensivo agora é para o Enem em janeiro”, diz. A preparação dos alunos durante a pandemia é um grande desafio, considera. “Neste período, nós temos, junto com as universidades, a plataforma Estude em Casa. E agora estamos iniciando esse programa de forma remota, com o acompanhamento por tutores e monitores nos 156 municípios que estão envolvidos no programa UPT. Para além das 12 mil vagas, este programa estará disponível também para que todos os estudantes possam se qualificar, fortalecer a aprendizagem e se preparar para o Enem e para o vestibular”.

O programa já tem 17 anos de existência. “Nos últimos 10 anos, o programa tem ampliado a sua compreensão enquanto política de Estado e já permitiu o ingresso de mais de 20 mil estudantes no ensino superior. O programa é muito específico, atende aos estudantes concluintes do terceiro ano do ensino médio da rede pública e os estudantes do quarto ano da educação profissional, também da rede pública. É destinado aos estudantes mais vulneráveis, que representam os territórios”., acrescenta Gomes.